Rádio Som de Deus



Lançado em: 29-04-2018

A experiência que produz frutos

A experiência que produz frutos

 

Meus irmãos e minhas irmãs, celebramos hoje o 5º domingo da Páscoa. Em muitas das nossas reflexões, já dissemos que o cristão é aquele que, por primeiro, fez a experiência com o Cristo. Nesse sentido, enfatizamos, também, que essa deve ser acompanhada por um testemunho, em outras palavras, de atitudes que transmitam o quanto é alegre, enriquecedora, abundante e eficaz a experiência com o Cristo. Assim, a liturgia de hoje nos chama a atenção para isso: a experiência eficaz produz frutos.

Na primeira leitura, extraída do livro de Atos dos Apóstolos (At 9,26-31), Saulo foi para Jerusalém, para se apresentar aos apóstolos. Porém, para bem entender a leitura proclamada na Missa de hoje, precisamos retomar o que aconteceu antes desse episódio.

Saulo havia pedido cartas para perseguir os cristãos que estavam em Damasco. No entanto, durante a viagem, fez uma experiência com Jesus. Ananias, enviado pelo Senhor, foi ao encontro de Saulo. Encontra-o em Damasco, quando Saulo recupera a visão, fica repleto do Espírito Santo, é batizado e começa a proclamar que Jesus é o filho de Deus. O testemunho de Saulo ganhando muita força e os judeus procuravam matá-lo. Saulo, sabendo disso, vai Jerusalém (cf. At 9,1-22).

A primeira leitura de hoje, inserida nesse contexto, mostra Saulo em Jerusalém. Os discípulos estavam receosos com a presença de Saulo, pois, até então, ele era um perseguidor e agora se diz um discípulo do Senhor. No entanto, a Igreja de Jerusalém acredita na experiência com o Cristo feita por Saulo, pois essa produzia frutos. Saulo testemunhava a sua experiência e essa cativava a todos que a ouviam.

Na segunda leitura, extraída da primeira carta de São João (1Jo 3,18-24), João fala que a nossa confiança está diante de Deus. No entanto, para compreender essa passagem precisamos ter conhecimento dos versículos anteriores. Todo o capítulo 3 nos aponta a forma de como devem viver os filhos de Deus. Esse capítulo é dividido em duas partes: romper com o pecado (1Jo 3,1-10) e observar os mandamentos especialmente o do amor (1Jo 3,11-24).

A leitura de hoje está inserida nessa segunda parte que traz a mensagem do amor. No início dessa segunda parte (v.11-17), João fala que os cristãos devem amar uns aos outros. Assemelhando-se ao maior exemplo de amor, a morte de cruz, os cristãos devem sempre estar dispostos a demonstrar amor uns pelos outros.

A segunda leitura, também inserida nesse contexto, mostra-nos que esse amor não deve ser “da boca para fora”, ou seja, a experiência com o Cristo deve transparecer nas nossas vidas e atitudes. São da verdade aqueles que creem e, colocam em prática, através do amor, a fé crida. Portanto, para a experiência ser autêntica, ela deve se traduzir em atos concretos, ou seja, o testemunho, com obras, do amor de Deus manifestado em Jesus (v.16). Tal amor é, portanto, a própria expressão da fé, da verdade no homem (v.19). Amar assim é ser da verdade.

No evangelho, extraído de São João (Jo 15, 1-8), Jesus se apresenta com a videira verdadeira. Para bem entendermos esse texto, faz-se necessário lembrar que no Antigo Testamento é frequente comparar o povo de Israel com a videira (cf. Is 5,1-7; 27,2-6; Jr 2,21; Os 10,1).

O evangelho, inserido nesse contexto, parte da imagem agrária para a realidade espiritual, expressa em linguagem cultual. Algumas atitudes do agricultor, relatadas no evangelho de hoje, são iguais a do vinhateiro, relatadas no Antigo Testamento como, por exemplo, ele corta (v.2) e remete a poda feita nas videiras infrutíferas (cf. Jr 5,10; Ez 17,7).

A mensagem de Jesus recebida com fé purifica os fiéis. A experiência com o Cristo requer que produzamos frutos, ou seja, implica diretamente na vida cristã e na sua atividade missionária. A relação entre a videira e os frutos sugere uma união vital.

Os frutos são extrínsecos, a videira existe com os frutos. Podem ser arrancados ou podados, porém são parte integrante da videira. Assim, Jesus com os fiéis: brotam dele, não são acrescentados; permanecem unidos a Ele e dele recebem o sustento e o fruto abundante da videira será a glória do vinhateiro.

Portanto, meus queridos irmãos e irmãs, a liturgia de hoje nos exorta para uma experiência que produz frutos. A prática cristã tem como ponto de partida a experiência feita com Jesus Cristo. Essa experiência, quando é autêntica, produz frutos que nascem do testemunho que apresentamos (primeira leitura). A expressão concreta dessa experiência, ou seja, a parte prática, é quando o testemunho é representado pelo amor que dispensamos aos nossos irmãos (segunda leitura). Porém, para produzirmos bons frutos, precisamos permanecer em Cristo (evangelho). Permanecer em Cristo significa permanecer em seu amor, em sua lei; por vezes, significa permanecer na cruz. O ramo que não permanece unido à videira seca, não frutifica, é cortado, não serve para nada.

Peçamos à Virgem Maria, àquela que por primeiro permaneceu unida à videira, que nos ajude na missão de transformarmos a nossa experiência com o Cristo em verdadeiros frutos de amor e conversão.

 

Autor: seminarista Ícaro Marcos Soledade Oliveira

Revisão ortográfica: Nelmira Moreira




5 Últimos Lançamentos

Com os olhos para os céus, testemunhamos - 16-05-2018


Com os olhos para os céus, testemunhamos - 13-05-2018


Somos escolhidos, amados e salvos por Ele - 06-05-2018


As imagens do ressuscitado - 20-04-2018


- 20-04-2018


Rádio Som de Deus
O momento foi festejado com a participação da Banda Recomeçar de Feira de Santana.
Copyright © 2016 - Rádio Som de Deus
Todos os direitos reservados