Rádio Som de Deus



Lançado em: 09-05-2019

O Bom Pastor

Meus queridos irmãos e irmãs, estamos celebrando o quarto domingo da Páscoa, conhecido popularmente, como o domingo do Bom Pastor. Nos domingos anteriores, na proclamação do Evangelho, encontramos sempre o relato de Jesus ressuscitado que aparece aos discípulos e às mulheres.

Hoje, a Liturgia da Palavra nos apresenta Jesus como o Bom Pastor que cuida das suas ovelhas. Neste domingo, também celebramos o dia das mães. Na celebração de hoje, lembramos quantas mães assumem, verdadeiramente, o papel de pastor na vida dos seus filhos.

Na primeira leitura, extraída do livro dos Atos dos Apóstolos (At 13,14.43-52). Nos domingos anteriores, vimos a figura de Pedro como pastor e guia da comunidade. Hoje, Paulo e Barnabé aparecem na construção da comunidade cristã e assumem o protagonismo de anunciar o Evangelho, ou seja, a vida de Jesus, não somente para os judeus que não aceitavam o anúncio paulino, mas também, para os pagãos. A leitura de hoje mostra essa rejeição dos judeus. Nos versículos anteriores (vv.13-44), Paulo, a partir da História da Salvação, passando pelos profetas até chegar a Jesus, anuncia que, em Jesus, Deus cumpre a Sua promessa “o perdão dos pecados por meio dele [Jesus], e todo aquele que crer será absolvido de tudo o que a lei de Moisés não pôde absolver” (v.39).

A multidão se encantava com as palavras de Paulo, porém, os judeus, que não aceitavam a fama de Paulo e muito menos a palavra paulina anunciada, expulsaram Paulo e Barnabé. Assim, o anúncio do Reino de Deus adquire um caráter universal, não mais está restrito aos judeus. Ao ouvir a Palavra do Senhor, os pagãos ficaram contentes (v.48), pois o Evangelho, a Boa Notícia, provoca alegria (cf. Lc 19,6).

Na segunda leitura, extraída do livro do Apocalipse de São João (Ap 7,9.14b-17), João, após ver o Cordeiro, isto é, Jesus, abrir o livro selado, ou seja, revelar o mistério de Deus (cf. Ap 5,1-6,17), vislumbra os eleitos do Senhor, esses que são a resposta para a pergunta feita na abertura do sexto selo do livro: “pois chegou o grande dia de sua ira. Quem poderá manter-se de pé?” (Ap 6,17). Manter-se-ão de pé aqueles que “lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do Cordeiro” (v.14b). O sangue de Jesus, derramado na cruz, purifica a alma daquele que crê. As suas vestes foram lavadas e alvejadas, porque eles assumiram e participaram da morte de Cristo, sendo autênticos discípulos(as). Por isso, o Cordeiro, que está no meio do trono, possui a plenitude de tudo, será para esses verdadeiros discípulos(as) “o seu pastor e os conduzirá às fontes da água vivificante. E Deus enxugará toda lágrima de seus olhos” (v.17).

No evangelho, extraído do evangelista são João (Jo 10,27-30), Jesus se apresenta como o bom pastor, o belo pastor. O Bom Pastor dá sua vida pelas ovelhas, lhe dá vida divina, eterna, que ninguém lhes pode tirar. E Ele afirma a fonte disso: a unidade com o Pai. Quem recebe sua vida, entra nesta unidade (v.28-30). Ao assumir a figura do bom/belo pastor, Jesus, solenemente, afirma que as suas ovelhas O conhecem e O seguem, pois, escutam, reconhecem a sua voz. Como verdadeiros discípulos(as), somos convocados a, assumindo a vida de Jesus, fazer parte do Seu rebanho, pois escutamos e reconhecemos a Sua voz.

A Liturgia de Hoje nos inspira para que, como autênticos servidores do Reino, possamos escutar a verdadeira voz do bom/belo pastor [evangelho]. Reconhecendo a Sua voz, somos interpelados a assumir, em nossa vida, no cotidiano, família, trabalho, etc a personalidade que é exigida a quem pertence ao rebanho, ao discipulado de Jesus. Imitando as suas ações, seguindo seus ensinamentos, estaremos lavando e alvejando as nossas vestes, ou seja, a nossa vida, em Seu sangue derramado por amor a nós, na cruz [segunda leitura]. Só depois de seguir esses dois princípios do evangelho e da 2ª leitura é que poderemos anunciar a todas as nações, sem fazer distinção de pessoas, as maravilhas que Deus fez em nós [primeira leitura].

Celebrando o dia das mães, nesse domingo, nós, filhos e filhas, temos um exemplo de tudo isso que refletimos, na liturgia da Palavra, dentro de casa. Elas, estejam vivas ou não, sempre nos ensinaram, com o seu amor maternal, que um verdadeiro filho(a) sempre deve estar atento a voz, aos ensinamentos de sua mãe. Lembram-nos, que o seu amor é maior do que tudo, ultrapassa os limites geográficos, e que elas só querem o nosso bem. São verdadeiras pastoras que conduzem os seus filhos pelos bons caminhos.

Portanto, peçamos a Deus a graça de nos conduzir à comunhão das alegrias celestes, para que, como participantes do rebanho do Senhor, possamos atingir, apesar de nossas fraquezas, a fortaleza do Cristo Jesus, o bom/belo pastor e, assim, poder proclamar a todas as nações que “sabei que o Senhor, só ele, é Deus, nós somos seu povo e seu rebanho”. A todas as mães, as que geraram e as que criaram, um FELIZ DIA DAS MÃES!!!!

Autor: seminarista Ícaro Marcos Soledade Oliveira

Revisão ortográfica: Nelmira Moreira




5 Últimos Lançamentos

Ama teu próximo como a ti mesmo! - 13-07-2019


As colunas da Igreja: São Pedro e São Paulo - 28-06-2019


VIDA É MISSÃO! - 21-06-2019


A Trindade Santa - 14-06-2019


​​​​​​​Alegrai-vos! Desce sobre vós o Paráclito! - 08-06-2019


Rádio Som de Deus
Celebração dos votos temporários Irmã Imaculada - Clarissas F. de Santana-BA. Fot. Leandro Freitas
Copyright © 2016 - Rádio Som de Deus
Todos os direitos reservados